Comunicação, cultura e TICs: Inovação aberta em empresas no Brasil e Colômbia

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.52203/pangea.v12i1.135

Palabras clave:

TICs, Crise, Comunicação, Inovação colaborativa aberta, Cultura organizacional participativa

Resumen

A Inovação Colaborativa Aberta (ICA), como um processo inteligente, tem colaborado junto a empresas em países emergentes, como o Brasil e Colômbia, a competir em igualdade de condições no mercado global de produtos e serviços, mas é preciso ter visão estratégica. O presente artigo está baseado nos resultados de uma pesquisa internacional realizada em 2019 e que envolveu 21 empresas brasileiras e colombianas, com o objetivo de analisar os processos de inovação apoiadas nos processos de comunicação e, em seguida, verificar possíveis relações com as TICs e a cultura organizacional. Os resultados demonstraram relevante apoio das TICs e da cultura organizacional participativa para o ambiente de inovação colaborativa. Porém, constatou-se que, na maioria das empresas, a área de comunicação ainda não atua diretamente nos processos de inovação, embora em duas delas foi possível observar parcerias estratégicas que resultaram em soluções inovadoras e sustentáveis para o negócio e para a sociedade. Essas duas experiências positivas são apresentadas neste artigo.

Citas

Bowen, S. A. (2008). A state of neglect: Public relations as ‘corporate conscience’or ethics counsel. Journal of Public Relations Research, 20(3), 271-296.

Chesbrough, H. (2003). Open innovation. Thenew imperative for creating and profiting from technology. Boston: Harvard Business Press.

Chesbrough, H. y Crowther, A. K. (2006). Beyond high tech: early adopters of open innovation in other industries. R&D Management, 36 (3), 229-236.

Chesbrough, H. (2007). Why companies should have open business models. MIT Sloan Management Review, 48(2), 22-28.

Chesbrough, H. (2012). Open Innovation: Where We've Been and Where We're Going. Research Technology Management. Taylor & Francis Ed., 55 (4), 20 – 27.

Conrado, D. J., Karlsson, M. O., Romero, K., Sarr, C. y Wilkins, J. J. (2017). Open innovation: Towards sharing of data, models and workflows. European Journal of Pharmaceutical Sciences, 109, 65-71.

Consejo Privado de Competitividad (2020). El CPC. Disponible en: https://compite.com.co/el-cpc/

Culnan, M. J. y Markus, M. L. (1987). Information technologies. En F. Jablin, L. Putnam, K. Roberts, y L. Porter (Eds.), Handbook of organizational communication: An interdisciplinary perspective (pp. 420-443). Newbury Park, CA: Sage

Dawson, B. K., Young, L., TU, C. y Chongvi, F. (2014). Co-innovation in networks of resources: A case study in the Chinese exhibition in¬dustry. Industrial Marketing Management, 43(3), 496-503.

Dittrich, K. y Duysters, G. (2007). Networking as a means to strategy change: The case of open innovation in mobile telephony. Journal of Product Innovation Management, 24(6), 510-521.

Falconi Consultores. Raio X dos desafíos estratégicos de 2021. São Paulo. https://d335luupugsy2.cloudfront.net/cms/files/188087/1616616995Falconi_Raio_X_dos_desafios_estrategicos_2021.pdf

Ferdinand, J.P. y Meyer, U. (2017). The social dynamics of heterogeneous innovation ecosystems: Effects of opens on community - firms relations. Engineering Business Management, 1 -16.

Ferrari, M. A. (2000). A influência dos valores organizacionais na determinação da prática e do papel dos profissionais de relações públicas: estudo comparativo entre organizações do Brasil e do Chile. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação ECA-USP, São Paulo).

Ferrari, M. A. (2016). Relações Públicas: gestão estratégica de relacionamentos. IN Kunsch, M. M. K. Comunicação Organizacional estratégica. Aportes conceituais e aplicados. São Paulo, Summus.

Gasparindo, L. (2016). As determinantes de comunicação e cultura para promover a comunicação: um estudo em um grupo de multinacionais brasileiras. Dissertação de Mestrado - Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação – Escola de Comunicações e Artes /Universidade de São Paulo. São Paulo.

Global Innovation Index 2019 (2019). Disponible en https://www.wipo.int/edocs/pubdocs/en/wipo_pub_gii_2019.pdf

Grunig, J.E., Ferrari, M.A. y França, F. (2011). Relações Públicas: teoria, contexto e relacionamentos. 2a. edição revisada e ampliada, São Caetano do Sul, Difusão.

Huston, L. y Sakkab, N. (2006). Connect and Develop: Inside Procter & Gamble's new model for innovation. Harvard Business Review, 84 (3), 58-66.

Ingebleek, P. T. M. y Dentoni, D. (2016) Learning from stakeholder pressure and embeddedness: The roles of absorptive capacity in the corporate social responsibility of Dutch agribusinesses. Sustainability, 8, 1026, 1-18.

Islam, M., Miller, J. y Park, H. D. (2017). But what will it cost me? How do private costs of participation affect open source software projects? Research Policy, 46, 1062-1070.

Lavrado, F. P., El-Khouri, N. B. D., Barbosa, C. C. R. y Rezende J. F. C. (2020, jan./abr). Inovação e cultura organizacional: características presentes em culturas de inovação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, 10 (1), 88-106. Disponible en: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/pgc/article/view/47636.

Lee, S. M., Olson, D. L. y Trimi, S. (2012). Co-innovation: Convergenomics, collaboration, and co-creation for organizational values. Management Decision Journal, 50 (5), 817-831.

Lee, S., Baek, H. y Jahng, J. (2017). Governance strategies for open collaboration: Focusing on resource allocation in open source software development organizations. International Journal of Information Management, 37, 431-437.

Lipovetsky, G. (2007). A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras.

Martín-Castro, G., Delgado-Verde, M., NavasoLópez, J.E. y Cruz-González, J. (2013). The moderating role of innovation culture in the relationship between knowledge assets and product innovation. Technological Forecasting and Social Change, 80 (2), 351-363.

Martins, E. y Terblanche, F. (2003). Building organizational culture stimulates creativity and Innovation. European Journal of Innovation Management, 6 (1), 64-74.

McLean, L. D. (2005, may.). Organizational culture´s influence on creativity and innovation: a review of the literature and implications for human resource development. Advances in Developing Human Resources, 7 (2), 226-246.

Porém, M. E. (2021). Apontamentos para uma abordagem comunicacional da inovação. IN Sampaio, A; Silva, D. R.; Porém, M. E. (orgs.) Comunicação, inovação e organizações. Salvador: EDUFBA, 61 - 78.

Powell, W. W. (1990). Neither market nor hierarchy: Network forms of organization. In Barry L. Staw and Larry Cummings, eds. Research in Organizational Behavior, 12. Greenwich: JAI Press.

Preciado-Hoyos, A. (2020). Marco propositivo de relaciones entre innovación colaborativa abierta y comunicación estratégica: aplicación a un grupo de empresas de origen antio¬queño. Palabra Clave, Editorial Universidad de La Sabana, Bogotá, Colombia, 23 (2), 1 – 53.

Schröder, A. y Hölze, K. (2010). Virtual communities for innovation: Influence factors and impacto n company innovation. Creativity and Innovation Management, 19 (3), 257-268.

Schumpeter, J. A. (1984). Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural.

Scuotto, W., Del Giudice, M. della Peruta, M. R. y Tarba, S. (2017). The performance implications of leveraging internal innovation through social media networks: An empirical verification of the Smart fashion industry. Technological Forecasting & Social Change, 120, 184-194.

STRATEGY&, Consultora Estratégica Network PWC - Jornal valor econômico. (2019). 5ª edição do Anuário Valor Inovação Brasil. Disponible en: <https://www.strategyand.pwc.com/br/pt/inovacao-brasil.html>. Acesso em: 21 set. 2019.

Valor Econômico Brasil. (2019). Disponível em https://www.strategyand.pwc.com/br/pt/inovacao-brasil.html

Valor Econômico. (2018). Anuário Inovação Brasil: as 150 empresas mais inovadoras. São Paulo: Valor Econômico.

Vendler, M. H. R. y Maçaneiro, M. B. (2018, Nov.). Elementos da cultura de inovação do ambiente interno que contribuem para adoção de estratégias de ecoinovação para a competitividade: análise de empresas industriais do setor da construção. Revista de Ciências da Administração, 20 (51), 120-137.

von Hippel, X. (1988). The sources of innovation. New York: Oxford University Press.

Descargas

Publicado

2022-01-18

Cómo citar

Ferrari, M. A., & Pragana Videira, D. . (2022). Comunicação, cultura e TICs: Inovação aberta em empresas no Brasil e Colômbia. Pangea. Revista De Red Académica Iberoamericana De Comunicación, 12(1), 47-63. https://doi.org/10.52203/pangea.v12i1.135